Sabe também que ela o ama.

Ele não escreve cartas de amor quilométricas. Não faz juras de amor em público. Não gosta de dormir de conchinha. Não faz questão de esconder suas manias, para mostrar a ela como ele é perfeito. Vez ou outra, também acorda de mal humor.

Ele é real e é isso que ela mais ama nele.

Ela sabe que ele a ama pela forma como seus olhares se cruzam no momento em que a cumplicidade se instala. E nesse momento ela sabe que ele está ali, de corpo, alma, coração e todo o resto. Que ele a enxerga como ninguém ainda foi capaz de fazer.

Ela entende que o amor está entre eles pela forma como ele a faz ter certeza que sua presença é desejada. Pelas vezes que ele a abraçou com força, como se dissesse a ela para nunca partir. E ela sabe que seria impossível imaginar sua vida sem ele.

Os dedos se entrelaçam como duas almas que se encontram e se reconhecem. Nesse instante, ela sabe.

Ela simplesmente sabe.

Há parceria. Jamais competição.

Há descobertas, confidências ocultas.

Ela torce por ele. Ele torce por ela.

Há conforto.

O amor está intrínseco na pele. É natural. Suave, como deve ser.

Seus lábios, ao se tocarem, simbolizam a serenidade de um amor bem resolvido. De um amor com cara de gente grande.

Não. Não há espaço para o duvidoso, porque a confiança se faz presente a cada segundo.

Há certezas.

A certeza de amor com gostinho de quero mais.

Ele diz que a ama com os olhos. Ela diz eu também com um sorriso. E nessa troca, milhares de promessas de amor são consolidadas.

Anúncios